0

Primeiro homem a dar a luz à uma criança vivendo como ambos os sexos.

Passando de mulher para homem ele acaba engravidado e dando à luz a sua segunda criança.

Kaci Sullivan, de 30 anos, que mora nos Estados Unidos, era uma mulher há 5 anos atrás, mas após dar à luz a um bebê ela viu que esse não era o sexo ao qual ela se encontrava e começou a passar por uma transição para ser um homem. Vivendo até então em meio a transição ele acabou engravidando e dando a luz novamente, mas agora como homem.

O bebê foi fruto do amor de Kaci e Steven, de 27 anos. O sexo da criança não foi revelado, porque os pais disseram que a escolha deve partir da própria pessoa e seu bebê crescerá como neutro até que possa fazer suas próprias escolhas. Kaci revelou que muitos se incomodam com a ideia de ele dar à luz como homem e até fazem comentários, mas ele não se importa, porque diz ter sido algo inspirador e incrível a gravidez. Kaci também afirmou que para ele a gravidez não é algo feminino e que ter uma criança nesse momento não lhe tirou toda masculinidade que sente.

Quando ainda era uma menininha de 4 anos, Kaci sofreu violência sexual e com seus 19 anos teve seu primeiro parceiro ao qual engravidou. Ela entrou em uma depressão profunda e nem a gravidez lhe fazia se encontrar como mulher novamente, por isso após o parto assumiu ser um transgênero. Quando assumiu sua nova identidade, Kaci foi abandonado pelo parceiro, por amigos e até mesmo perdeu seu trabalho. Era difícil para ele, mas enfim ele estava liberto para novas experiências de vida.

Sobre toda a situação pela qual Kaci passa, ele falou: “Eu queria que as pessoas percebessem que não estavam me perguntando sobre a identidade de gênero do bebê. Não há como ninguém saber disso. Eles estão me perguntando como são os genitais do meu bebê. Esta é uma pergunta assustadora quando nos deparamos com ela. Não precisamos estar sexualizando crianças pequenas. Ninguém, além de seu filho, deve revelar seu gênero. Nosso sexo e identidade de gênero não têm nada a ver com os papéis de gênero socialmente construídos”.

Agodoi1

Deixe uma resposta