0

ESSE É O PRIMEIRO RESTAURANTE “LEGAL” DO MUNDO A SERVIR CARNE HUMANA – CONFIRA

Embora estejamos vivendo em uma sociedade que, teoricamente, vem se desprendendo de determinados padrões moralistas, ainda existem muitos temas que consideramos verdadeiros tabus. Abrangem assuntos que estão ligados em nossa história desde muito tempo atrás, considerados como atos impraticáveis. Um bom exemplo é o canibalismo. Não se encontra carne humana em um restaurante, por exemplo… Ou pelo menos, não se encontrava.

Ao longo de nossa evolução, já foram registrados muitos casos de pessoas que comiam carne humana. A maioria eram assassinos cruéis que atraiam suas vítimas para alguma armadilha, em seguida as matavam e comiam sua carne. São casos realmente bizarros e que sempre nos chocam, independente da época em que tenha ocorrido. Mas o que você acharia se encontrasse um restaurante que, de fato, tem autorização para vender carne humana como um de seus pratos principais?

Restaurante de Tóquio autorizado a vender carne humana

De forma impressionante, em Tóquio, na capital do Japão, um restaurante teve autorização para comercializar carne humana de forma legalizada. Chama-se Resu ototo no shokuryohin, que em livre tradução significa algo como “irmão comestível”. O restaurante não fica exatamente na capital, mas em uma região próxima. No entanto, ainda recebe diversas visitas por dia de pessoas que tem a curiosidade de experimentar o sabor de tal carne.

O primeiro sul-americano a visitar o local foi um argentino. Segundo o que ele diz, a carne humana tem sabor parecido à de carne de porco, com diferença apenas na textura, visto que é um pouca mais dura. Mas ainda acrescenta que isso depende da região do corpo que você consome; as nádegas costumam ser mais macias. “No final, é como comer porco, neste restaurante eles cozinham a carne com especiarias, então o sabor da carne passa despercebido”, diz o argentino que opta por ocultar sua identidade.

Os pratos possuem um valor bastante alto, visto que a carne vem de origem oficial. Ela é proveniente de pessoas que, antes de morrer, autorizaram a venda de seu corpo para que possa ser consumido. Em troca, a pessoa recebe uma espécie de pensão. O valor pode chegar aos 30 mil euros que são dados para a família assim que o indivíduo morre.

Ainda é preciso que a morte seja natural e que a pessoa se comprometa a participar de tratamentos médicos específicos, na intenção de impedir a deterioração da carne assim que a morte ocorrer. Vale lembrar que nenhum sacrifício é feito para que o restaurante possa funcionar.

Agodoi1

Deixe uma resposta